CEVID CEVID

 

 

A Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar - CEVID foi criada em atendimento à Resolução nº 128/2011, do Conselho Nacional de Justiça, por meio Resolução nº 20/2011 do Órgão Especial.

 

Compõem a CEVID:

Desembargadora Lenice Bodstein, Coordenadora;

Juiz Wilson José de Freitas Júnior, Juiz Auxiliar da Corregedoria-Geral da Justiça;

Juiz Ariel Nicolai Cesa Dias, Magistrado do Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, Vara de Crimes contra Crianças, Adolescentes e Idosos e de Execução de Penas e Medidas Alternativas da Comarca de Foz do Iguaçu;

Juiz Augusto Gluszczak Junior, Magistrado do Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra Mulher e Anexos de São José dos Pinhais;

Juíza Cármem Silvania Zolandeck Mondin, Magistrada da 3ª Vara Criminal de Guarapuava;

Juíza Márcia Margarete do Rocio Borges, Magistrada do Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher de Curitiba;

Juíza Mônica Fleith, Magistrada do Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher e Vara de Crimes contra Crianças, Adolescentes e Idosos de Maringá.

 

A CEVID é responsável pela elaboração e execução de políticas públicas no âmbito do Poder Judiciário relativas às mulheres em situação de violência doméstica e familiar e tem por atribuição elaborar sugestões para o aprimoramento da estrutura do judiciário na área do combate e prevenção à violência doméstica e familiar contra as mulheres; dar suporte aos Magistrados, aos servidores e às equipes multiprofissionais visando a melhoria da prestação jurisdicional; promover a articulação interna e externa do Poder Judiciário com outros órgãos governamentais e não-governamentais, com a implementação de programas de erradicação da violência doméstica e familiar contra a mulher; colaborar para a formação inicial, continuada e especializada de Magistrados e servidores na área do combate e prevenção à violência doméstica e familiar contra as mulheres; recepcionar, no âmbito de cada Estado, dados, sugestões e reclamações referentes aos serviços de atendimento à mulher em situação de violência, promovendo os encaminhamentos e divulgações; fornecer os dados referentes aos procedimentos que envolvam a Lei nº 11.340/2006 ao Conselho Nacional de Justiça, de acordo com a parametrização das informações com as Tabelas Unificadas do Poder Judiciário, promovendo as mudanças e adaptações necessárias junto aos sistemas de controle e de informações processuais existentes; atuar sob as diretrizes do Conselho Nacional de Justiça em sua coordenação de políticas públicas a respeito da violência doméstica e familiar contra a mulher.