Últimas Notícias do TJPR Últimas Notícias do TJPR

Voltar

Mulher processa seguradora para receber indenização decorrente da morte de ex-marido


Mulher processa seguradora para receber indenização decorrente da morte de ex-marido
Ex-esposa era a única beneficiária do valor, mas homem constituiu uma nova família e o montante foi pago a terceiros
Qua, 04 Set 2019 17:01:45 -0300

Uma mulher processou uma seguradora para ter acesso a mais de R$ 100 mil devidos a título de indenização pela morte do ex-marido. Casados na década de 50, eles se divorciaram na década de 80 e, na época, fizeram um acordo determinando que o ex-marido manteria a ex-mulher como única e exclusiva beneficiária de seu seguro de vida. O conteúdo foi homologado por sentença e transitou em julgado.

Porém, 20 anos após o divórcio, o ex-marido, que constituiu nova família, alterou os beneficiários do seguro e retirou a ex do respectivo rol. Em 2013, o homem faleceu e o prêmio foi pago aos terceiros inseridos posteriormente como dependentes. Devido ao descumprimento do acordo que envolvia a autora da ação, ela processou a seguradora e pediu a anulação da alteração feita pelo segurado, além do pagamento do valor referente ao prêmio.

1ª instância e recurso

Em 1º grau, o magistrado ponderou que a seguradora desconhecia o acordo feito entre os ex-cônjuges e, por isso, não tinha motivos para negar o pagamento aos novos dependentes, pois, aparentemente, o processo estava dentro da legalidade. Dessa forma, não acolheu os pedidos da autora do feito, que recorreu pedindo a reforma da sentença.

Ao apreciar o recurso, a 8ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR), por unanimidade, reformou a decisão de 1ª instância e acolheu os pleitos da ex-esposa. O acórdão reconheceu a ilegalidade da substituição dos beneficiários e condenou a seguradora a pagar a indenização devida à ex-mulher. A decisão de 2º grau se baseou no artigo 791 do Código Civil, segundo o qual “a nomeação do beneficiário de seguro de vida pelo segurado é livre e pode ser realizada a qualquer tempo, salvo se a indicação estiver atrelada à garantia de alguma obrigação”. O relator observou que, diante da existência de um acordo homologado judicialmente entre o ex-marido e a ex-mulher, a alteração realizada no rol de beneficiários foi ilícita.



CIDADÃO

ADVOGADO

IMPRENSA

Canal do Youtube do Tribunal de Justiça do Paraná Canal do Youtube do Tribunal de Justiça do Paraná

Jurisprudência do TJPR Jurisprudência do TJPR


Consulta Jurisprudência 2o. grau TJPR, Jurisprudência 2º Grau, Jurisprudência Turmas Recursais, Jurisprudencia, jurisprudencia

Diário da Justiça do TJPR Diário da Justiça do TJPR

a

Clipping Clipping

Nota de Falecimento Nota de Falecimento