Últimas Notícias do TJPR Últimas Notícias do TJPR

Voltar

14ª Edição da Semana Nacional da Conciliação acontece de 4 a 8 de novembro


14ª Edição da Semana Nacional da Conciliação acontece de 4 a 8 de novembro
Conheça a importância da resolução consensual de conflitos e a forma como é realizada
Seg, 04 Nov 2019 17:10:19 -0300

Entre os dias 4 e 8 de novembro será realizada a 14ª edição da Semana Nacional da Conciliação, promovida pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) desde 2006. Em parceria com os Tribunais de Justiça, Tribunais do Trabalho e Tribunais Federais, a campanha tem como objetivo incentivar a resolução consensual dos processos que já estão na Justiça e também de casos que ainda não foram judicializados (pré-processuais).

De acordo com dados do CNJ, em 2018, a Semana Nacional da Conciliação conseguiu promover mais de 600 mil audiências em todo o Brasil, homologando mais de R$ 1,5 bilhão em acordos. Conflitos como pensão alimentícia, divórcio, inventário, partilha, guarda de menores, acidentes de trânsito, dívidas em bancos e problemas de condomínio são alguns exemplos de casos que podem ser solucionados a partir da conciliação.

Como funciona a Conciliação? 

Em uma audiência realizada com o auxílio de um terceiro facilitador, as duas partes do conflito podem esclarecer as suas versões sobre o caso para construir uma solução satisfatória para ambos.

Para o advogado Eduardo Calizário Neto, requerente de uma audiência de conciliação com uma universidade privada, o acordo permite uma solução rápida e prática: “O caminho é sempre a conciliação. As duas partes estavam dispostas a conciliar, não precisou de disputa para chegarmos a um acordo. Se eu esperasse o resultado do processo, a solução seria alcançada num tempo muito maior e o gasto também seria mais alto”, diz. 

De maneira consensual é possível resolver conflitos de forma rápida, fácil e segura, já que o resultado da audiência é homologado por um juiz e tem a mesma validade de uma sentença. 

Facilitando o diálogo

“A conciliação e a mediação vieram para resolver questões que vão além do processo. Elas restabelecem o relacionamento interpessoal, os vínculos familiares e de amizade”, conta a mediadora e advogada Anna Luísa Haluche. 

A psicóloga e também mediadora Jessyca Cristina Liça destaca o caráter transformador da mediação na vida das pessoas que participam do procedimento: “Muitas vezes, elas têm um relacionamento fora daqui, mas não conversam, não têm um entendimento do sentimento uma da outra e precisam de um terceiro que auxilie nesse resgate da comunicação”, diz. 

Foi o que aconteceu em uma mediação de quatro horas de duração feita pela psicóloga: na ocasião, oito irmãos, que não se falavam, queriam resolver um processo sobre a divisão de um terreno – um problema que se estendia há mais de 30 anos. A audiência foi realizada antes de um feriado e, no final do encontro, a discussão se transformou em uma organização para um almoço de família. 

Mediação x Conciliação

As duas técnicas seguem princípios estabelecidos na Resolução nº 125/2010, do CNJ: confidencialidade, decisão informada, competência, imparcialidade, independência e autonomia, respeito à ordem pública e às leis vigentes, empoderamento das partes e validação.

A conciliação é utilizada para a resolução de conflitos menores e mais simples. Nesse método, o conciliador pode ter uma atuação mais ativa – porém, neutra e imparcial –  para facilitar o esclarecimento das necessidades das partes. É um processo mais breve, que busca alcançar a harmonização entre as partes.

Na mediação, o facilitador é neutro e imparcial e apenas facilita o diálogo entre os envolvidos para que eles desenvolvam suas opiniões e construam, juntos, a melhor solução para ambos. A mediação, em geral, é utilizada para solucionar conflitos mais complexos, que envolvam pessoas com algum tipo de vínculo ou relacionamento continuado, como familiares, vizinhos ou amigos. Neste caso, nem sempre o maior objetivo é o acordo: o mais importante é restabelecer o diálogo entre os envolvidos para que eles alcancem a melhor solução. 

Acordo em números

As audiências de conciliação e mediação são realizadas nos Centros Judiciários de Solução de Conflitos e Cidadania (CEJUSCs). Nesses locais, costumam ser realizadas audiências das categorias: 

• iniciais, designadas pelas Varas de origem, tendo como fundamento o artigo 334 do Código de Processo Civil (CPC); 
• intermediárias, encaminhadas para agendamento de sessão nos processos já em curso nas Varas e 
• pré-processuais, quando o CEJUSC é procurado para realização de audiência sem um processo instaurado. Neste caso, é expedida uma carta convite para a outra parte e agendada a audiência.

Em Curitiba, somente no CEJUSC do 1º Grau do Fórum Cível da capital, em 2018, foram realizadas quase 6.500 audiências no primeiro semestre de 2019 foram mais de 3.300. O maior destaque vai para os casos que envolvem condomínios e instituições de educação, que, ano passado, finalizaram os processos com acordo em mais de 20% dos casos.

Os percentuais de consenso costumam ser menores nas audiências iniciais e intermediárias, com índices que variam de 10% a 15%. Já nos casos pré-processuais o resultado pode ser expressivo: no mesmo Cejusc de Curitiba, em 2018, as audiências pré-processuais alcançaram 52% de acordo  as questões familiares foram as campeãs de conciliação, com quase 80% de consenso.



CIDADÃO

ADVOGADO

IMPRENSA

Canal do Youtube do Tribunal de Justiça do Paraná Canal do Youtube do Tribunal de Justiça do Paraná

Jurisprudência do TJPR Jurisprudência do TJPR


Consulta Jurisprudência 2o. grau TJPR, Jurisprudência 2º Grau, Jurisprudência Turmas Recursais, Jurisprudencia, jurisprudencia

Diário da Justiça do TJPR Diário da Justiça do TJPR

a

Prazos e Suspensões no TJPR Prazos e Suspensões no TJPR

Clipping Clipping